Distúrbios do sono: o que são, sintomas, tratamento e causas

distúrbios do sono

Muitas pessoas acordam diariamente sem terem dormido bem e não sabem que podem estar sofrendo de distúrbios do sono.

Os distúrbios do sono são alterações na capacidade de dormir adequadamente, seja por alterações cerebrais, por desregulação entre o sono e a vigília, alterações respiratórias ou por transtornos do movimento.

Alguns exemplos comuns são insônia, apneia do sono, narcolepsia, sonambulismo ou síndrome das pernas inquietas.

Uma vez identificados eles devem ser tratados, pois quando persistem podem afetar gravemente a saúde física e mental do paciente, assim como a sua qualidade de vida.

Neste artigo nós vamos elucidar a você o que são os distúrbios do sono, como tratar, se é possível evitar o problema e se o plano de saúde cobre o tratamento. 

O que são distúrbios do sono?

Distúrbio do sono é um termo utilizado para designar um conjunto de diferentes doenças e condições capazes de afetar o sono dos pacientes, impedindo-o por completo de dormir ou tornando o sono insuficiente.

Assim, mesmo quando o paciente dorme, ele não consegue se sentir descansado ou mesmo recuperado.

Quais são as causas dos distúrbios do sono?

Um dos principais desencadeadores dos distúrbios do sono é o estresse.

Problemas na vida pessoal, financeiros ou pressões da vida profissional podem ser os gatilhos que disparam problemas no sono, como a insônia e o bruxismo (ranger os dentes durante a noite).

Caso surjam sintomas de alterações do sono, o profissional mais indicado para diagnosticar e tratar o problema é o médico especialista do sono.

Contudo, outros profissionais da área de saúde como clínico geral, médico de família, geriatra, psicólogos (link para texto do fim das sessões de psicologia), psiquiatra ou neurologista podem identificar o problema e recomendar um tratamento.

Por que é importante ter uma boa noite de sono?

É durante o sono que o corpo restabelece sua energia, se recupera de fadiga, otimiza o metabolismo e regulariza a função de hormônios, como é o caso do hormônio do crescimento. 

Enquanto dormimos, ocorre a consolidação da memória, permitindo um melhor aprendizado e desempenho na escola e no trabalho.

Além disso, é principalmente durante o sono que os tecidos do corpo são reparados, facilitando a cicatrização de feridas, a recuperação dos músculos e o fortalecimento do sistema imune

Desta forma, uma boa noite de sono é recomendada para prevenir doenças, como ansiedade, depressão, Alzheimer e o envelhecimento precoce

18 sintomas dos distúrbios do sono

  1. Fadiga e sensação de cansaço ao acordar;
  2. Dificuldade para acordar mesmo após 8 horas de sono ou mais;
  3. Irritabilidade;
  4. Ansiedade;
  5. Sono persistente durante o dia;
  6. Ronco;
  7. Dificuldade de concentração e em realizar tarefas rotineiras;
  8. Dificuldade para praticar atividade física;
  9. Dificuldade para executar cálculos ou tarefas que exijam raciocínio lógico e concentração mental;
  10. Dor na mandíbula pelo ranger dos dentes à noite (bruxismo);
  11. Dor muscular sem causa aparente;
  12. Dor de cabeça e fadiga mental;
  13. Diminuição da memória e do aprendizado;
  14. Alterações de humor;
  15. Aumento da inflamações no corpo;
  16. Enfraquecimento do sistema imune;
  17. Alterações no processamento da glicose e, como consequência, aumento de peso e diabetes;
  18. Transtornos gastrointestinais.

8 hábitos para evitar distúrbios do sono

  1. Procure ter uma rotina, estabelecendo uma agenda de tarefas a cumprir diariamente e fazendo o planejamento do seu dia, semana e mês;
  2. Tenha objetivos claros e estabeleça metas para a sua vida. Uma pessoa focada no que deseja para a sua vida, tende a obter mais disciplina e tranquilidade e a dormir melhor;
  3. Tenha uma alimentação saudável. Uma alimentação desregrada e pobre em nutrientes afeta a sua noite de sono;
  4. Estabeleça um horário para dormir e procure acalmar a mente e construir um ambiente calmo e acolhedor na hora que antecede o seu sono;
  5. Pratique meditação e atividade física. A prática dessas atividades contribuem um corpo e uma mente mais saudável e favorecem o sono;
  6. Evite tomar café ou consumir bebidas ricas em cafeína e estimulantes de energia corporal, como energéticos;
  7. Evite atividades que estimulem a ansiedade como jogos de videogame ou filmes violentos antes de dormir;
  8. Procure dormir no escuro e no silêncio. 

6 principais distúrbios do sono e suas características

Insônia

A insônia é o distúrbio do sono mais comum e frequente entre as pessoas. Ela se caracteriza pela dificuldade de iniciar o sono e  mantê-lo durante a noite ou o despertar antes do horário desejado.

A insônia pode durar dias, meses, ou os episódios recorrentes podem se perpetuar por anos.

Ela pode ser desencadeada por diversos fatores: como estresse, ansiedade, trauma ou expectativas, como um emprego, uma prova ou viagem.  

Quando ela se torna crônica e o indivíduo não consegue superar o problema é necessário buscar ajuda profissional e, se necessário, tomar medicação para induzir o sono por um período. 

Apnéia Obstrutiva do Sono

A Apnéia Obstrutiva do Sono ou Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS) caracteriza-se pela obstrução da via aérea no nível da garganta durante o sono, levando a uma parada da respiração, que dura em média 20 segundos.

Após esta parada, a pessoa acorda com o próprio ronco alto. A apnéia obstrutiva do sono pode ocorrer várias vezes durante a noite, havendo pessoas que apresentam uma a cada um ou dois minutos.

Se a apneia do sono ocorre por muitos meses ou anos pode desencadear outras doenças, como infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral. 

Também pode se desenvolver a síndrome metabólica, que é a ocorrência de distúrbios da gordura e do açúcar do sangue, hipertensão arterial e aumento da circunferência abdominal. 

Ela é muito comum entre homens, com mais de 40 anos e em pessoas obesas e sedentárias, que consomem álcool com frequência, ou possuem alterações no nariz, boca ou mandíbula.

Síndrome das pernas inquietas

É um distúrbio caracterizado pela agitação involuntária dos membros inferiores (pernas e pés), mas que pode ocorrer também com os braços, nos casos mais graves.

Os sintomas apresentados durante o sono, fazem com que o indivíduo durma mal ou quase não durma, mexendo bastante o corpo durante a noite.

Bruxismo

Bruxismo é um distúrbio do movimento caracterizado pelo ato inconsciente de ranger e apertar os dentes de forma involuntária durante o sono.

Ele causa complicações dentárias, dores de cabeça constantes e dores na mandíbula.

O tratamento do bruxismo é orientado pelo dentista e inclui o uso de um aparelho encaixado sobre os dentes para evitar o desgaste dentário.

Sonambulismo

Sonambulismo faz parte da classe de distúrbios chamadas de parassonias, em que há um alteração do padrão do sono devido à ativação de áreas do cérebro em momentos inapropriados. 

É mais frequente em crianças, apesar de poder existir em qualquer idade.

 

O sonâmbulo realiza atividades motoras complexas, como caminhar ou conversar, podendo em seguida despertar ou voltar a dormir normalmente.

Geralmente, há pouca ou nenhuma recordação do ocorrido.

Narcolepsia

A narcolepsia é um transtorno crônico do sono caracterizada por ataques repentinos de sono, em que a pessoa pode dormir em qualquer lugar, a qualquer hora do dia, dificultando as atividades do dia a dia. 

Os ataques podem surgir poucas ou várias vezes ao dia e o sono costuma durar alguns minutos.

O que é Parassonia?

Parassonias são transtornos do sono caracterizados por eventos psicológicos, comportamentos ou movimentos anormais que ocorrem durante o sono. 

Elas são decorrentes da ativação do sistema nervoso central e levam à queda da qualidade do sono.

As principais parassonias existentes são:

  • Despertar confusional;
  • Terror noturno;
  • Sonambulismo;
  • Pesadelos;
  • Sonilóquio (falar enquanto dorme);
  • Paralisia do sono;
  • Bruxismo noturno;
  • Enurese noturna (urinar na cama enquanto dorme).

Vários fatores podem influenciar as parassonias. A idade é importante, uma vez que distúrbios como o despertar confusional e a enurese noturna são mais frequentes na infância e costumam desaparecer na adolescência.

Por quantas horas uma pessoa deve dormir?

O recomendado é dormir, no mínimo, 6 horas por dia. No entanto, a quantidade de sono adequada por dia varia de pessoa para pessoa devido a diversos fatores, e um deles é a idade.

Como tratar os distúrbios do sono?

Os tratamentos dos transtornos do sono dependem da causa e dos sintomas apresentados.

Normalmente, o profissional de saúde recomenda mudança nos hábitos noturnos, psicoterapia ou medicamentos, incluindo o uso de produtos naturais, como chás (link texto chás) e fitoterápicos, que devem ser prescritos pelo médico.

Muitas vezes também é necessário adaptar a  sua rotina, evitando o uso de cafeína à noite e fazendo a higiene do sono. 

Medidas de gerenciamento de estresse também ajudam a melhorar a qualidade do sono, especialmente nos casos de bruxismo e de insônia.

Plano de saúde cobre tratamento para distúrbio do sono?

Sim, os distúrbios do sono fazem parte das doenças listadas pela OMS (Organização Mundial de Saúde) e compreende o CID 10 – G47, da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID).

O transtorno faz parte do rol ANS que contém a relação de todos os eventos, consultas, exames e terapias que os planos de saúde são obrigados a incluir.

Desta forma, há alguns procedimentos relacionados aos distúrbios do sono que fazem parte dessa lista. Um exemplo é telemonitorização de pacientes com diagnóstico de apneia obstrutiva do sono, aprovado em 2022 pela ANS. 

Contudo,  outros exames podem ou não ser cobertos pelo plano de saúde, dependendo da cobertura contratada.

O rol de procedimentos e eventos ANS é válido para os usuários de planos contratados a partir de 1 de janeiro de 1999 ou adaptados à Lei 9656/98

Para cuidar da sua saúde e tratar de transtornos relacionados ao sono você também pode recorrer a terapias naturais, como a fitoterapia. Veja nosso conteúdo completo sobre o tema. Fitoterapia: respondemos as 13 principais dúvidas. 

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Inscreva-se na nossa Newsletter